Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Vivemos em uma Realidade Paralela "MATRIX" e quem nos Controla?

Elon Musk acredita que somos personagens de videogame estilo Matrix de uma civilização avançada.
Em suas dimensões físicas e biológicas, o mundo em que vivemos manifesta sinais de uma lógica e intelecção profundamente marcantes, que vão muito além do que julgamos como mera aparência. Tal fato levou ao surgimento de teorias sobre uma origem mental de nossa realidade que não se restringem apenas a explicações religiosas. Lembram da teoria da panspermia de Francis Crick, o descobridor da molécula do DNA? Uma outra teoria, conforme o artigo que segue, sustenta que o mundo em que vivemos seria um ambiente virtual neurointerativo, projetado por mentes super avançadas. O grande problema dos críticos do design inteligente, uma outra teoria de origem inteligente da vida, é que eles sempre a associam à ideia de um criador sobrenatural, o Deus da Bíblia. Por causa disso acabam se fechando contra a ideia de que o nosso mundo foi projetado por uma inteligência. Eles podem até dizer que a ideia de uma criador sobrenatural não é científica. Entretanto, torna-se tarefa difícil dizer o mesmo sobre as hipóteses de que a vida foi semeada na terra por seres avançados ou que o mundo é produto de programadores siderais. Essas duas últimas são hipóteses bem racionais para a mente materialista. Mas eles sempre se esforçarão em rejeitar todas as hipóteses em conjunto, pois temem que, se aceitarem uma delas, as outras também alcancem certa credibilidade. Enfim, a questão não é a ausência de marcas de inteligibilidade no mundo, mas sim uma postura preconceituosa materialista que tenta se entrincheirar contra toda ameaça de intromissão do sobrenatural no mundo.

Para saber mais sobre a teoria defendida por Elon Musk, leia o artigo abaixo, do site Vox:

De longe, o melhor momento da Conferência de Código anual da Recode foi quando Elon Musk subiu ao palco e explicou que, embora pensemos que somos participantes de carne e sangue em um mundo físico, quase certamente somos entidades geradas por computador que vivem dentro de um ambiente  de videogame de  uma civilização mais avançada.

Não acredita em mim? Aqui está o argumento de Musk na íntegra:

"O argumento mais forte para nós estarmos em uma simulação provavelmente é o seguinte. Quarenta anos atrás, tivemos o pong. Dois retângulos e um ponto. Assim eram os jogos.

Agora, 40 anos depois, temos simulações 3D fotorrealistas, com milhões de pessoas a jogando simultaneamente, e está melhorando todos os anos. Em breve teremos realidade virtual, realidade aumentada.

Se você assumir qualquer taxa de melhoria, os jogos tornar-se-ão indistinguíveis da realidade, mesmo que essa taxa de avanço diminua em mil do que é agora. Então, apenas imaginemos 10.000 anos no futuro, o que não é nada na escala evolutiva.

Assim, dado que estamos claramente numa trajetória para ter jogos que serão indistinguíveis da realidade, e esses jogos podem ser jogados em qualquer console, PC ou o que quer que seja, e provavelmente haveria bilhões de tais computadores ou consoles, parece que as probabilidades de estarmos numa realidade básica são de uma em um bilhão."

Diga-me o que há de errado com esse argumento. Existe uma falha nesse argumento?

Isso veio em resposta a uma pergunta do jornalista Josh Topolsky, que pressionou Musk ainda mais. "O argumento faz sentido", disse Topolsky. "Mas o que você acha?"

"Há uma em bilhão de chance de estarmos em uma realidade básica", respondeu Musk. Ele continuou:

"Podemos esperar que isso seja verdade, porque se a civilização deixar de avançar, isso pode ser devido a algum evento calamitoso que apagua civilização. Então, talvez devêssemos esperar que esta seja uma simulação, porque, de outra forma, vamos criar simulações que não podem ser distinguidas da realidade ou a civilização deixa de existir. É improvável que entremos em uma estagnação de vários milhões de anos."

Nesta resposta, Musk está repetindo uma das minhas experiências de pensamento favoritas. Ele vem do artigo intitulado "Bem, você está em uma simulação de computador?" do filósofo Nick Bostrom. Você pode ler tudo aqui, mas o núcleo é mais ou menos como Musk o descreve:

"Uma coisa que as gerações posteriores podem fazer com seus computadores super poderosos é executar simulações detalhadas de seus antepassados ​​ou de pessoas como seus antepassados. Como seus computadores seriam tão poderosos, eles poderiam executar muitas dessas simulações.

Suponha que essas pessoas simuladas estejam conscientes (como seriam se as simulações fossem suficientemente finas e se uma certa posição amplamente aceita na filosofia da mente estiver correta). Então, poderia ser o caso que a grande maioria das mentes como a nossa não pertence à raça original, mas sim às pessoas simuladas pelos descendentes avançados de uma raça original. É então possível argumentar que, se fosse esse o caso, sería racional pensar que é provável sejamos mentes simuladas e não as biológicas originais. Portanto, se não pensarmos que estamos vivendo atualmente em uma simulação por computador, não temos o direito de acreditar que teremos descendentes que executarão muitas dessas simulações de seus antepassados. Essa é a idéia básica."

O argumento basicamente resolve três opções, a qual a Wikipedia resume assim:

"A fração de civilizações de nível humano que atingem um estágio pós-humano (ou seja, capaz de executar simulações de antepassados ​​de alta fidelidade) é muito próxima de zero", ou

"A fração de civilizações pós-humanas interessadas em executar simulações de antepassados ​​é muito próxima de zero", ou

"A fração de todas as pessoas com nosso tipo de experiências que vivem em uma simulação é muito próxima de uma".

Musk está escolhendo a terceira opção aqui. Vale ressaltar que Bostrom não compartilha da confiança de Musk. Ele disse que não vê nenhuma maneira óbvia de escolher entre as três opções:

Se (1) for verdade, então quase certamente irão extintos antes de alcançar a postinidade. Se (2) é verdade, então deve haver uma forte convergência entre os cursos de civilizações avançadas para que praticamente nenhum contém indivíduos relativamente ricos que desejam executar simulações de antepassados ​​e são livres para fazê-lo. Se (3) for verdade, então quase certamente viveremos em uma simulação. Na floresta escura de nossa ignorância atual, parece sensato compartilhar a credibilidade de uma pessoa de forma aproximada entre (1), (2) e (3).

Este é um papel divertido, e isso levou a muitos debates. Se quiser mergulhar profundamente, dirija-se ao site do argumento de simulação, e você pode passar dias explorando o debate. Para o que vale a pena, eu acompanho os críticos que pensam que as três opções não são realmente exaustivas: não vejo uma razão para acreditar que mesmo as civilizações muito avançadas irão facilmente simular a consciência.

Mas isso é exatamente o que uma consciência simulada que acredita que ela é um participante especial na realidade básica diria, não é?

Você pode assistir a mais conversas no segundo vídeo abaixo. O tema começa a ser abordado na marca 1:14:00.
Obs: Ative a legenda com tradução.
Fonte
Mais um post by: EXTRATERRESTRE ONLINE

                                                  Veja os Vídeos Abaixo:



Nenhum comentário:

Postar um comentário